Uncategorized

Assembleia debate, em audiência histórica, fim da vacinação da aftosa

A agropecuária do Paraná vive um momento de intensa expectativa. Em setembro o Ministério da Agricultura deve mudar o status do Estado para Área Livre de Febre Aftosa sem Vacinação. A previsão é que a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) reconhecerá essa condição do Paraná em 2021. Uma conquista que abrirá mercados gigantescos, como o da China, e melhores preços para a produção agropecuária do Estado. Nesta quarta-feira (28), a Assembleia Legislativa do Paraná realizou a que talvez tenha sido a maior audiência pública de sua história para debater a questão.

Centenas de produtores rurais lotaram todos os espaços da Assembleia. Plenário, galerias, tribunas de honra e espaço cultural, foram ocupados por produtores rurais. “O Paraná fez a lição de casa. Esse evento representa o início da libertação da agropecuária do Paraná da vacinação contra a febre aftosa. O Estado está completamente livre da doença precisamos e vamos obter uma certificação oficial. Com ela vamos ganhar novos mercados e valorizar nossa produção agropecuária. Hoje é um dia histórico”, disse o deputado Ademar Traiano (PSDB), presidente da Assembleia ao abrir o evento. “É uma honra para a nossa Assembleia estar na linha de frente desta luta”, destacou.

O encontro foi realizado por iniciativa do deputado Anibelli Neto (MDB), que preside a Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Assembleia. Ele enfatizou que “não existe o vírus da aftosa circulando no Paraná. O Paraná tem muito a ganhar a partir do momento em que for declarado área livre da aftosa sem vacinação porque novos mercados serão abertos para os produtos paranaenses”.

A audiência pública reuniu lideranças e representantes de todas entidades do setor agropecuário, técnicos, empresários e os secretários de Estado da Agricultura, Norberto Ortigara e o chefe da Casa Civil, Guto Silva, o 1º secretário Luiz Cláudio Romanelli e deputados de todas as bancadas também marcaram presença.

2 Comentários

  1. Guto Grassano Reply

    Infelizmente,sabem o que estão fazendo ! ! ! Deveriam ouvir pessoas do setor da pecuária que realmente conhece as vantagens e desvantagens …. Não temos estrutura de fiscalização ! ! ! Estaremos a serviço do Estado de Santa Catarina e de algumas empresas da suinocultura ! ! ! ! Exportar para a China isso já acontece … Viramos uma bomba relógio ! ! ! ! Depois não vamos chorar o leite derramado … Ainda está tempo caros deputados !!!

  2. Caro Fabio, dificilmente vai acabar com a vacinação, pois existe um interesse muito grande dos fabricantes de vacina, para não acabar, envolve milhões de reais. Fabio, na minha opinião existem Deputados ganhando mensalidades para não acabar com a vacinação. Os próprios funcionários da Secretaria da Agricultura não querem que acabe. A máfia do Sindicato dentro da Secretária é muito forte. Em suma, esse Estado não têm jeito, resta somente rezar. Fabio, o Agricultor e Pecuaristas estão quebrados, as Multinacionais e casas agrícolas querem sugar a última gota de sangue do homem do campo.

Comente