Uncategorized

Justiça proíbe prefeitura do Rio de recolher livros na Bienal

A Justiça do Rio de Janeiro concedeu uma liminar no início da noite desta sexta-feira (6) que impede as autoridades municipais de buscar e apreender obras em função de seu conteúdo, “notadamente” aquelas que tratam de conteúdo LGBT.

A liminar atende a uma solicitação de mandado de segurança preventivo feita pela Bienal do Livro do Rio após a decisão do prefeito Marcelo Crivella de apreender livros no evento, que acontece no Riocentro, Zona Oeste. É a primeira vez em quase 40 anos que a Bienal do Livro sofre esse tipo de ação.

Na noite de quinta, Crivella afirmou que mandaria recolher exemplares do romance gráfico “Vingadores, a cruzada das crianças” (Salvat), que tem a imagem de um beijo entre dois personagens masculinos. Os livros eram vendidos lacrados, e a capa não tem nenhuma imagem de conteúdo erótico.

A decisão da Justiça de conceder a liminar foi tomada após representantes da Secretaria de Ordem Pública (Seop) terem ido à Bienal para, segundo o órgão, identificar e lacrar livros com conteúdo “impróprio”. Os fiscais não encontraram livros em “desacordo” com as normas, segundo a Prefeitura.

Comente