Uncategorized

Janot: “Eu ia matar o Gilmar Mendes e depois me suicidar”

Estadão

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot disse na quinta-feira, 26, ao Estado que, no momento mais tenso de sua passagem pelo cargo, chegou a ir armado para uma sessão do Supremo Tribunal Federal (STF) com a intenção de matar a tiros o ministro Gilmar Mendes. “Não ia ser ameaça não. Ia ser assassinato mesmo. Ia matar ele (Gilmar) e depois me suicidar”, afirmou Janot.

Segundo o ex-procurador-geral, logo depois de ele apresentar uma exceção de suspeição contra Gilmar, o ministro difundiu “uma história mentirosa” sobre sua filha. “E isso me tirou do sério.”

Em maio de 2017, Janot, na condição de chefe do Ministério Público Federal, pediu o impedimento de Gilmar na análise de um habeas corpus de Eike Batista, com o argumento de que a mulher do ministro, Guiomar Mendes, atuava no escritório Sérgio Bermudes, que advogava para o empresário.

Ao se defender em ofício à então presidente do STF, Gilmar afirmou que a filha de Janot – Letícia Ladeira Monteiro de Barros – advogava para a empreiteira OAS em processo no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Segundo o ministro, a filha do ex-PGR poderia na época “ser credora por honorários advocatícios de pessoas jurídicas envolvidas na Lava Jato”.

“Foi logo depois que eu apresentei a sessão (…) de suspeição dele no caso do Eike. Aí ele inventou uma história que a minha filha advogava na parte penal para uma empresa da Lava Jato. Minha filha nunca advogou na área penal… e aí eu saí do sério”, afirmou o ex-procurador-geral.

Janot encontrou Gilmar na antessala da Corte: ‘Foi a mão de Deus’
Janot disse que foi ao Supremo armado, antes da sessão, e encontrou Gilmar na antessala do cafezinho da Corte. “Ele estava sozinho”, disse. “Mas foi a mão de Deus. Foi a mão de Deus”, repetiu o procurador ao justificar por que não concretizou a intenção. “Cheguei a entrar no Supremo (com essa intenção)”, relatou. “Ele estava na sala, na entrada da sala de sessão. Eu vi, olhei, e aí veio uma ‘mão’ mesmo”.

O ex-procurador-geral disse que estava se sentindo mal e pediu ao vice-procurador-geral da República o substituir na sessão do Supremo. A cena descrita acima não está narrada em detalhes no livro Nada menos que tudo (Editora Planeta), no qual relata sua atuação no comando da Operação Lava Jato. Janot alega que narrou a cena, mas “sem dar nome aos bois”.

O ex-procurador-geral da República diz que sua relação com Gilmar já não era boa até esse episódio, mas depois cortou contatos. “Eu sou um sujeito que não se incomoda de apanhar. Pode me bater à vontade… Eu tenho uma filha, se você for pai…”

Gilmar Mendes se pronunciou a respeito das declarações de Janot na manhã desta sexta-feira, 27, e disse lamentar que uma parte do “devido processo legal no país” tenha ficado “refém de quem confessa ter impulsos homicidas”. “Recomendo que procure ajuda psiquiátrica”, afirmou Gilmar.

14 Comentários

  1. Isso dá uma medida no nível de beira de bueiro de alguns representantes da justiça. Loucos varridos, maníacos e embriagados ocupando cargos de alta responsabilidade da república de bananas. Um faroeste de terceira categoria, estrelado por atores de quinta.

  2. Equilíbrio não se busca em livros e apostilas.. e sim na bíblia, na religião.. Deus é a cura de todo o ódio, rancor e ressentimento..
    A vaidade e o apego materialista corroem a alma das pessoas

  3. Ainda bem que não o fez, cara de baiacu vai pagar por tudo que
    tem feito, contra a nação brasileira!!!

  4. Doutor Prolegômeno Responder

    Um mundo cheio de fanáticos perigosíssimos, com instintos ainda mais perigosos. Talvez, isso seja “marquetingue” sugerido por algum marqueteiro para promover o tal livro, que deve ser vomitório como o autor. A malfadada fundação bilionária, certamente, teria adquirido milhares de exemplares para distribuir gratuitamente para salvar do fracasso editorial. Buooorghh… Chama o Hugo…

  5. Aprigio Fonseca Responder

    Confissão de tentativa de homicídio,cadeia ou psiquiatra para esse Louco e olha que tem bastante deles nessa lava jato.

  6. Não é só ele que tem vontade , são milhões de brasileiros,que não aguentam tanto descaramento destes advogados militantes, que nunca sequer foram juízes substitutos, sendo nomeados por políticos corruptos pra defende los, e quem tem poder e obrigação de fiscalizar, o congresso está cheio de corruptos enrolados na lava jato, enquanto isso os criminosos fazem lei pra prender quem os acusa, só na banania isso acontece.

  7. oSVALDO DA sILVA Responder

    Não devia ter comentado já que se acovardou, se tivesse feito a sua vontade seria com certeza o maior ídolo de toda uma nação, mas a falta de coragem e a covardia pela não realização do ato causa até repulsa, ninguém mais terá essa oportunidade de eliminar o VERME.

  8. Se ele tivesse apenas se suicidado já seria ótimo para o país. Devia matar a turma dos boiadeiros.

  9. Caro Fábio, com essa manifestação o PGR apenas afundou-se no ambiente em que vive. Com a sua colocação, confirma realmente que ” não é individuo que se preze, faltou-lhe caráter”. Atenciosamente.

  10. Roberto bechetto Responder

    Que ponto chegamos. Brasil nunca muda e os políticos nadando de braçadas largas eo país quebrando.

Comente