Uncategorized

“Troco da propina”, diz motorista sobre redução da tarifa do pedágio

Um motorista resumiu muito bem, segundo o deputado Romanelli (PSB), o que significa os acordos de leniência feitos pelo Ministério Público Federal e as empresas do pedágio no Paraná. “Isso é troco da propina”, disse o motorista ao ser entrevistado por uma emissora de TV sobre a redução em média de 30% na tarifa cobrada em seis praças de pedágio na BR-277.

“Ele está absolutamente certo. Digo e repito, os acordos são lesivos. São apenas um salvaguarda, uma espécie de salvo conduto, que libera as empresas a participar da próxima licitação das concessões das rodovias do Paraná”, disse Romanelli.

Esta redução começam a valer a partir desta terça-feira, 1º de outubro, nas praças exploradas pela Ecocataratas e a Ecovia nos trechos da BR-277 entre Foz do Iguaçu e Guarapuava e entre Curitiba e o litoral. No caso da Ecovia, na ligação capital-litoral, o valor para carros deve cair de R$ 20,90 para R$ 14,60. Nas cinco praças da Ecocataratas, os preços para automóveis que variam atualmente entre R$ 12,50 e R$ 16,40 devem cair para valores na faixa entre R$ 8,80 e R$ 11,50.

“Todos são a favor da redução das tarifas do pedágio. Ninguém é contra, mas da forma que foram feitos e homologados os acordos de leniência, eles atendem mais os interesses das pedageiras do que os usuários das rodovias. Em 21 anos de contratos, as seis concessionárias vão faturar R$ 21 bilhões é um dinheiro que fez muita falta aos usuários, ao setor produtivo, que encareceu os fretes e as mercadorias que ainda circulam pelas rodovias no Estado”, completou.

Dano causado – Integrante da força-tarefa da Operação, o próprio procurador Alexandre Jabur, admite em declaração à imprensa que a concessionária “indeniza minimamente o dano causado”. “O MPF, para dizer o mínimo, foi generoso com as concessionárias. O dinheiro dos contratos superfaturados fez muita falta aos paranaenses. Quantas estradas, ruas e avenidas poderiam ser pavimentadas? Quantas escolas, postos de saúde, creches e hospitais poderiam ser construídos?”, questiona o deputado.

Romanelli diz ainda que a prova que os acordos só servem às concessionárias está no primeiro leilão de rodovias do governo Bolsonaro. A Ecorodovias – que controla a Ecovia e a Ecocataratas – venceu a disputa pela concessão da rodovia BR-364/365 e vai explorar as sete praças de pedágio ao longo do trecho de 437 quilômetros, que ligam as cidades de Uberlândia (MG) e Jataí (GO). Serão localizadas nas cidades mineiras de Uberlândia, Monte Alegre de Minas, Ituiutaba e Santa Vitória e nos municípios goianos de Paranaiguara, Cachoeira Alta e Jataí.

O governo federal pretende leiloar sete trechos de rodovias em 2020, incluindo o da Nova Dutra, destacou Freitas. São eles: a BR-101, em Santa Catarina; a BR-153, que liga Goiás a Tocantins; o lote BR-381 e BR-262, de Minas Gerais ao Espírito Santo; a BR-163, no Pará; a Rio-Teresópolis e a Rio-Juiz de Fora (MG). “Temos cerca de 14 mil quilômetros para licitar”, disse o ministro Tarício Freitas (Infraestrutura). Na carteira de projetos do ministério, até 2022, ainda constam outras estradas federais e 4,1 mil quilômetros das rodovias integradas do Paraná, além de 7,2 mil km em fase de estudos.

6 Comentários

  1. Doutor Prolegômeno Reply

    O povo paga a conta dos furadores de pedágio, dos bravateiros de sempre, dos metidos a valentões… uma turma de fritar bolinho, que come milho e arrota caviar…

  2. Osni Menezes Reply

    O governo deveria assumir as praças de pedágios por um certo período para ver a real arrecadação no estado. Mediante essas informações colocaria o valor máximo aos interessados em assumir as rodovias no Estado do Paraná. Fica minha sugestão ao Governador Ratinho Jr.

  3. xiru de palmas Reply

    E onde e com quem estava o nobre deputado todos estes anos?
    Aceitou todos os contratos.
    Não apoiou o Requião nos processos contra a s administradoras.
    Disse amem em 8 anos de Beto Richa.
    E agora vem posar de contrário a esta extorsão efetuada em 20 anos contra os condutores do Paraná e aos coitados dos turistas que por aqui se aventuraram?
    Só fez efeito furando pedágio, mas é claro, com o intuito de não pagar.
    Vá rachar uma lenha

  4. Estes CORRUPTOS fizeram o povo de bobo, todos nós pagamos estes ladrões estes anos!

  5. Caro FÁBIO, parece que o Romanelli, como todo o político que chega perto das eleições acorda do sono profundo, onde não ouvia e nem lia nada a respeito das dificuldades que os paranaenses sofriam, com a espoliação praticada pelas pedageiras nos últimos 20 anos. Ele está acordando agora para o fato. Tem saída sim, sr. deputado. É só a inserção de um artigo na lei que cria o processo licitatório, impedindo a participação das atuais empresas no Paraná na próxima licitação. Está claro para todos os paranaenses que as empresas, presidentes, dirigentes, diretores são corruptos e praticaram corrupção, pois estão pagando ou buscando devolver o troco, fruto da corrupção à população. Como empresários corruptos, não interessa à população paranaense a presença desses elementos, pelos próximos 25 anos. O custo é muito elevado. Cada empresa, possui um passivo com a população lindeira as rodovias, a cada quilometro de via pedagiada. Eles não se comunicam com a população local. Não nos interessa. Atenciosamente.

  6. Só indago o seguinte: e aquele miserável q não tem dinheiro pra pagar o pedágio pra se deslocar com seu humilde veículo. Terá que andar pelas estradas rurais????COMO FICA ISSO NOBRES AUTORIDADES PÚBLICAS?????

Comente