Uncategorized

MST em vigília


Há menos de dois meses, depois do fim da Vigília Lula Livre, em Curitiba, o Paraná se torna palco de mais uma vigília por justiça. Em Cascavel, às margens da rodovia BR-277, famílias Sem Terra iniciaram um processo de mobilização diária para denunciar as novas ameaças de despejo impostas pelo governo Ratinho Junior (PSD). Ao todo, 212 famílias sofrem o risco de destruição de suas casas, lavouras, igrejas e espaços de convivência construídos ao longo de cerca de 20 anos. As três comunidades ameaçadas são Resistência Camponesa e Dorcelina Folador, criadas em 1999, e 1º de agosto, de 2004.


Gente do Lula livre

Entre agricultores ameaçados de despejo estão dezenas de participantes da Vigília Lula Livre, que recebia brigadas de integrantes do MST do estado a cada 15 dias. Um deles é Adair Gonçalves, primeiro nome da lista de agradecimentos lida por Lula no dia 8 de novembro de 2019, quando foi libertado. Daio, como é conhecido, integra a coordenação estadual do MST e foi uma das referências do Movimento na Vigília Lula Livre.

1 Comentário

  1. O Governo devera apenas cumprir decisão da Justiça, e caso não o faça, poderá sofrer intervenção, simples assim

Comente