Uncategorized

Pequenos empresários querem lockdown em Curitiba

O Movimento Fechados pela Vida, composto por quase 200 pequenos empresários do comércio do setor de gastronomia, entretenimento, bares, salões e lojas, inicou nesta segunda-feira, 16 de junho, um abaixo-assinado angariar assinatura e pressionar as autoridade a decretarem lockdown. Em duas horas, 650 pessoas tinham assinado a iniciativa e, às 9 horas desta quarta-feira, 1.200 assinaturas das 1.500 almejadas tinham sido conseguidas.

O Movimento está na plataforma Change.org e pede que “Prefeitura de Curitiba: decrete o lockdown antes que o sistema de saúde entre em colapso. Para sensibilizar a população, o grupo argumenta que no dia 16 de junho, Curitiba estava com 85% da capacidade total de leitos para covid-19 ocupadas. Cita ainda que a taxa de ocupação ocorre exatamente um mês após a flexibilização do fechamento do comércio, que segundo o prefeito, nunca foi realizada.  Relata que, com a anuência da Prefeitura, no dia 17 de maio, estabelecimentos de grande fluxo como shoppings e igrejas ganharam aval para abertura.

Uma da organizadoras do movimento, a empresária Janaína Santos afirma que a intenção é coletar o maior número possível de assinaturas antes de sexta-feira, 19 de junho, data em que os números são reavaliados pelas autoridades municipais de Saúde. “Acreditamos que é preciso agir rápido para evitar o colapso do sistema de saúde e também ter um plano de ação para que o lockdown seja efetivo, com fiscalizacao ampla. Além disso também pedimos mais apoio às pequenas empresas que são as mais afetadas e as que menos receberam ajuda financeira”, diz. As informações são do Bem Paraná.

3 Comentários

  1. Assinado e compartilhado.
    E quando tudo passar, vou prestigiar os estabelecimentos responsáveis pela iniciativa.
    E boicotar quem não respeitou e acha que a única coisa importante é o seu próprio bolso.
    Em shoppings, por exemplo, nunca mais porei o pé.

  2. Clovis Antunes Responder

    A pandemia mostrou que os burros ficaram mais burros. Quem diz se fecha ou se abre são as autoridades sanitárias. A gentalha ficou ainda mais gentalha

  3. É o mesmo pessoal que meses atrás também exigia que todos fechassem, mas que o município, estado e União pagassem a conta. Leia-se, os contribuintes…

Comente