Uncategorized

PEC para adiar eleições
trava na Câmara

Depois da tramitação acelerada no Senado, a PEC (proposta de emenda à Constituição) do adiamento das eleições municipais entrou em marcha lenta na Câmara, enquanto o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tenta reunir o apoio de partidos de centro ao texto.

Bancadas de partidos como MDB, PP, PL, DEM, Republicanos e PSL estão rachadas sobre o adiamento. Somadas, as legendas têm 216 deputados —de um total de 513 da Casa.

Para passar na Câmara, a proposta precisa ser aprovada pelo plenário em dois turnos e obter o apoio de pelo menos três quintos dos deputados (308 votos) em cada votação.

A divisão é fruto da pressão de prefeitos e vereadores que buscam a reeleição. Presidente da FNP (Frente Nacional de Prefeitos), Jonas Donizette (PSB), prefeito reeleito de Campinas (SP), reconhece haver um lobby para manter as datas atuais das eleições.

“Alguns prefeitos estão fazendo contato direto com deputados, mas isso não foi feito pela frente”, afirma. “Eu não conversei com o presidente do Senado nem com o da Câmara pedindo isso.”

1 Comentário

  1. Caro Fábio, a Câmara mais uma vez entrando em choque com o Senado e tumultuando uma matéria que está pacificada. O Senado já aprovou a matéria. Os deputados alegam pressão dos prefeitos que desejam reeleição. Ora, se desejam a reeleição que defendam o adiamento, contudo não é isso que realmente desejam. O que de fato desejam é a PRORROGAÇÃO dos mandatos por mais dois anos e a unificação das eleições em uma mesma data. Isso será o FIM da jovem democracia brasileira. Só não vê quem não quer. Esses políticos não pregam pregos sem estopa. Atenciosamente.

Comente