Uncategorized

Bolsonaro desiste
de Feder e vice-versa


O time ideológico, aquele do ministério do ódio que reúne filhos, agregados e olavistas, não admite entregar o Ministério da Educação a ninguém que não seja afinado com ele. Desta vez, o alvo foi Renato Feder, que ao se ver descartado, soltou nota dizendo que não aceita o convite do presidente. Desistiu do que já não existia.

Agora, o presidente Jair Bolsonaro procura outro nome para comandar o Ministério da Educação, depois de ouvir críticas de seus grupos de apoio e resistências dentro do governo ao nome de Renato Feder, secretário da área no Paraná.

Segundo o relato de assessores próximos do presidente, ele faz consultas acerca de outros nomes, Bolsonaro havia ligado para Renato Feder na noite de quinta (2) e chegou a convidá-lo para ir a Brasília nesta segunda (6), numa sinalização de que ele seria nomeado ministro. A ideia não foi adiante.

Essa é a segunda vez que Feder foi descartado para o comando do MEC. Ele chegou a encontrar o presidente no Planalto há cerca de 10 dias, antes de Bolsonaro escolher Carlos Alberto Decotelli, que por inconsistências no currículo não chegou a ser efetivado.

Renato Feder, secretário da Educação e do Esporte do Paraná, chegou a conversar por telefone com o presidente Jair Bolsonaro na quinta-feira (2) — Foto: Divulgação/Secretaria da Educação e do Esporte do Paraná
Renato Feder, secretário da Educação e do Esporte do Paraná, chegou a conversar por telefone com o presidente Jair Bolsonaro na quinta-feira (2) — Foto: Divulgação/Secretaria da Educação e do Esporte do Paraná

O nome de Feder, empresário da área de tecnologia, teve muita resistência entre os grupos ideológicos com influência no governo e que até a saída de Abraham Weintraub tinham controle do MEC. Mas lideranças evangélicas, inclusive no Congresso, também manifestaram receio de que Feder não estaria alinhado com ideias conservadoras do grupo.

1 Comentário

  1. Gustavo Henrique Responder

    O Bolsonaro, é tão ruim que não consegue indicar o ministro da educação e nem mesmo da saúde, planejamento zero!

Comente