Uncategorized

Mais de 53 mil paranaenses já fizeram o teste de Covid-19 em farmácias

Testes em farmácias são realizados desde final de abril em CuritibaO mais novo levantamento da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) aponta que já passou de 600 mil o número de pessoas que fizeram o testes para a Covid-19 realizados em farmácias. O estudo indica que, do total de 607.062 pacientes testados, 87.427 (14,4%) tiveram resultado positivo e 519.635 (85,6%), negativo.

No Paraná, foram 53.745 testes feitos, com 45.648 negativos e 8.097 positivos, com porcentual de 15,07% de positivos. Os dados correspondem ao período de 6 de maio a 23 de agosto.

Somente no período de 17 a 23 de agosto, 48.579 pessoas realizaram os testes. Dessas, 7.084 testaram positivo e 41.495, negativo. Ao todo, 1.848 farmácias estão ofertando o serviço, das quais 957 estão em São Paulo, 251 em Minas Gerais e no Paraná são 73. A variação semanal de casos positivos no Paraná gira em torno de 4,34%. As informações são do Bem Paraná.

O Amapá tem apenas uma farmácia disponibilizando o serviço e registrou o maior número de casos positivos – 30,37% dos 1.304 testes. Tocantins segue registrando o menor índice de pessoas que tiveram contato com o vírus.

Número grande
O volume de pessoas que se submeteram ao procedimento no País supera o número de habitantes de capitais como Aracaju-SE (570 mil), Porto Velho-RO (529 mil), Macapá-AP (503 mil), Florianópolis-SC (500 mil) e Vitória-ES (362 mil). Em São Paulo 262.333 pessoas foram testadas no período.

Curitiba deve confirmar milésima morte pela Covid-19

A Secretaria Municipal da Saúde confirmou ontem mais 352 novos casos e dez óbitos de moradores da cidade infectados pelo novo coronavírus. Com os novos dados, Curitiba chega a 997 mortes pela Covid-19, número que fatalmente vai ultrapassar os mil casos nesta semana.

Nas últimas 48 horas foram cinco óbitos. Os demais ocorreram entre os 1º e 28 de agosto. As vítimas foram seis homens e quatro mulheres, com idades entre 38 e 92, três abaixo de 60 anos. Todos tinham graves comorbidades como fator de risco para as complicações da doença.

Com os casos confirmados de hoje, 32.972 moradores da cidade testaram positivo para a covid-19 desde o início da pandemia – 28.004 estão liberados do isolamento e sem sintomas da doença.

Ontem, a taxa de ocupação dos 355 leitos de UTIs do SUS exclusivos para Covid-19 era de 81%. Havia 68 leitos de UTI do SUS livres em hospitais de Curitiba até ontem. Até ontem, 160 pacientes ocupavam um leito de UTI.

Ministério da Saúde tem previsão de vacina para o início de 2021
O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, e a presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nísia Trindade Lima, discutiram ontem formas de acelerar o cronograma da produção da vacina contra a Covid-19 no Brasil. A vacina resultará de acordo entre a Fiocruz, a empresa biofarmacêutica global AstraZeneca e a Universidade de Oxford. Com informações da Agência Brasil.

Pelas previsões, as primeiras doses da vacina contra a Covid-19 deverão ser distribuídas no início de 2021, por meio do Programa Nacional de Imunização (PNI), que atende o Sistema Único de Saúde (SUS).

A parceria prevê a assinatura, na primeira semana de setembro, de um acordo de encomenda tecnológica e desenvolvimento de uma plataforma para fabricação de outras vacinas, como a da malária.

Anunciado em 27 de junho pelo Ministério da Saúde, o acordo resulta de tratativas entre os governos do Brasil e do Reino Unido. O governo federal liberou crédito extraordinário de R$ 1,9 bilhão para produção e aquisição da vacina contra a covid-19 produzida pelo laboratório AstraZeneca e Universidade de Oxford.

Inicialmente, deverão ser produzidas 100 milhões de doses a partir de insumos importados. A produção integral da vacina na unidade técnico-cientifica Bio-Manguinhos tem início estimado para abril do próximo ano.

Segundo Nísia Lima, a Fiocruz está mobilizando todos os recursos tecnológicos e industriais de que dispõe para que a população tenha acesso à vacina no menor tempo possível.

Brasil está muito perto de atingir a marca de quatro milhões de casos
No Brasil, desde o início da pandemia, 121.381 pessoas morreram em função da Covid-19 no Brasil. Nas últimas 24 horas, foram registrados 553 novos óbitos. Os dados estão na atualização do Ministério da Saúde divulgada na noite de ontem. Há 2.708 falecimentos em investigação. De acordo com o balanço da pasta, o número de pessoas infectadas desde o início da pandemia chegou a 3.908.272. Entre domingo e ontem, as secretarias estaduais de saúde acrescentaram às estatísticas 45.961 novos casos.

Ainda de acordo com a atualização, 689.157 pessoas estão em acompanhamento e outras 3.097.734 já se recuperaram. A taxa de letalidade (número de mortes pelo total de casos) ficou em 3,1%. A mortalidade (quantidade de óbitos por 100 mil habitantes) atingiu 57,8. A incidência dos casos de covid-19 por 100 mil habitantes é de 1859,8.

Paraná
A Secretaria de Estado da Saúde do Paraná confirmou ontem 1.289 novos casos de Covid-19 e mais 39 óbitos pela infecção causada pelo novo coronavírus. O Paraná soma 130.500 casos e 3.251 mortes em decorrência da doença.

Até ontem eram 948 pacientes internados com diagnóstico confirmado de Covid-19: 770 estavam em leitos SUS (370 em UTI e 400 em leitos clínicos/enfermaria) e 178 em leitos da rede particular (59 em UTI e 119 em leitos clínicos/enfermaria). Os óbitos ocorreram entre 24 a 31 de agosto. O monitoramento da secretaria estadual registra 1.406 casos de pessoas que não moram no Estado.

Comente