Uncategorized

O que o curitibano quer
do próximo prefeito?

Em circuito de 12 horas percorrido por Goura, candidato a prefeito de Curitiba pelo PDT, nas dez regionais da capital para ouvir as principais reivindicações dos moradores nas questões ligadas aos temas mais sensíveis em suas regiões. Temas essenciais como educação, saúde, emprego, moradia e cultura foram as principais reivindicações da população.

Educação e Moradia

“A situação na área da Educação piorou muito”, diz a professora e pedagoga Cristiane Sasso, durante visita do candidato à Cidade Industrial de Curitiba (CIC). Não temos apoio, não temos uma política de educação que se preocupe com a aprendizagem, nem profissionais para a demanda que precisamos”, afirma.

Ainda na CIC, Goura conversou com lideranças das ocupações Tiradentes, Dona Cida e 29 de Março, exemplos claros de falta de investimentos em programas habitacionais e que flagram a Curitiba que não aparece na propaganda do prefeito.

A regularização da moradia também está presente na fala de Valtair Tomaz, morador de Butiatuvinha, em Santa Felicidade. “Aqui temos 9 mil pessoas que estão em uma área que é de ocupação irregular”, contou.

Questões de falta de ônibus, falta de vagas nas creches e a ausência de um Cras (Centro de Referência em Assistência Social), fechado pelo atual prefeito Rafael Greca, são reivindicações da comunidade de Butiatuvinha.

Saúde
“Enquanto não tivermos atenção à Saúde os problemas continuarão. Sou moradora do Boa Vista há 15 anos e não tem investimento na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do meu bairro. Vejo que Goura tem propostas nesta área, e mais que isso, ele tem vontade resolver, isso é urgente”, disse Marilia Barbosa, 34 anos.
Problema constatado também na Regional do Pinheirinho, onde os moradores relataram descaso com a população. “Tive Covid há cerca de um mês, fiz o tratamento e estou curada, mas ninguém me ligou para saber o andamento e se havia tido algum problema, ou mesmo evolução, durante esse período”, contou Rosângela Souza, 55 anos.
Pessoas em situação de rua
Na Regional Matriz, praça Tiradentes, Pulga, coordenador do Movimento de População de Rua (POP RUA), contou que atualmente há cinco mil pessoas em situação de rua e que o número tende a aumentar. “Por conta da pandemia, vi que cresceu bastante o número de pessoas nas ruas. Além disso, há a questão do desemprego. Agora até o pessoal que tem casa, mas não tem trabalho, vem pegar marmita aqui porque não tem o que comer”, afirmou.

Cultura
“Quando o Goura conheceu o evento Boqueirão Cultural, deu o pontapé inicial para construirmos essa pista de skate maravilhosa, aqui na praça Menonitas”, contou Alexandre Oliveira Xaca, um dos organizadores do evento, junto com Walter Boza. A premissa do festival, que acontece desde 2016, é descentralizar a cultura da cidade e trazer artistas locais para se apresentar para o pessoal da periferia. Além disso, promover ações sociais ligadas ao evento e movimentar o comércio.

Horta comunitária
O agricultor Alcides Ferreira das Neves, disse que muitas famílias sobrevivem da venda dos alimentos cultivados na horta comunitária do Sambaqui, na Vila Osternack (Bairro Novo). “Garantimos além de uma renda aos moradores, alimentos totalmente sem agrotóxicos à população, isso é ter saúde”, relatou o agricultor, que trabalha no local há cerca de 10 anos, onde 41 famílias plantam e tiram seu sustento da produção orgânica da horta comunitária.

Ele diz que o estímulo a esse tipo de ação é fundamental para que as pessoas tenham renda, trabalho e saúde. “A comunidade trabalha para se ajudar e ajudar os outros. Todos ganham com isso. O pensamento e ação devem ser estes”, afirmou Alcides.

Ciclomobilidade
No Terminal do Capão da Imbuia, Cajuru, o ciclista Antonio Mazzer, 60 anos, falou sobre a importância da integração entre os modais de transporte e o investimento em um urbanismo que promova a segurança. “Faço parte de um grupo de ciclistas do Cajuru e vemos que falta muita infraestrutura para que possamos nos locomover com segurança. Investimento, segurança, sinalização, entre outras medidas. É a primeira vez que vejo um candidato que percebeu a importância disso”, ressaltou.

Confiança

Ana Beatriz Bubola, 26 anos, abordou Goura assim que ele chegou na Feira Gastronômica Noturna da Praça da Ucrânia, e relatou seu entusiasmo em sua candidatura a prefeito. “Acompanho o trabalho dele há anos, desde vereador. Para mim é o único que apresenta propostas que acredito e tenho confiança que vai realizar”, afirmou.

1 Comentário

  1. Faço votos de que o prefeito seja suficientemente inteligente e humilde e aceite as muito boas propostas dos seus adversários, só as possíveis, as impossíveis guarde no anedotário da cidade. Pena que o bem intencionado candidato não poder concretizar estes seus sonhos para a cidade, quem sabe no futuro, hoje não.

Comente