Uncategorized

Preso assassino de duas
mulheres em Antonina

Suspeito de matar idosas a tijoladas em Antonina cometeu crime após discordar de pagamento de R$ 50 por serviço de roçada, diz polícia

Carlos Eduardo Policarpo, de 38 anos, homem que matou duas idosas a tijoladas em Antonina, no litoral do Paraná, cometeu o crime após uma discussão com uma das vítimas, por discordar do pagamento de R$ 50 por um serviço de roçada prestado por ele, segundo a Polícia Civil.

Policarpo, de 38 anos, foi preso na quarta-feira (6) suspeito de matar duas vizinhas, de 65 e 68 anos. Na delegacia, ele confessou o crime, informou a polícia.

De acordo com a delegada de Antonina, Vanessa de Lima e Silva, o homem tinha prestado um serviço a uma das vítimas dias atrás, ficou insatisfeito com o valor pago e foi tentar rediscutir o valor.

“E nesse momento, segundo ele, ela teria o ofendido, ele teria se exaltado e pegado um tijolo que estava próximo e atingido a cabeça dela”, disse a delegada.

Segundo a polícia, após o primeiro crime, o homem foi até a casa da vizinha, onde realizaria outro serviço, levando o celular da primeira vítima e o tijolo usado no crime.

De lá, ele mandou uma mensagem para o celular da vizinha da casa onde ele estava se passando pela primeira vítima, como se ela estivesse passando mal.

“Ele mesmo confirmou que a intenção dele era que a primeira situação parecesse um acidente e não fosse acionada a policia”, disse Vanessa de Lima e Silva.

A vizinha, no entanto, viu a mensagem, chamou socorro e familiares da vítima, que encontraram a idosa morta.

De acordo com a polícia, a segunda vítima foi morta quando retornou para casa. Segundo o relato do suspeito à polícia, ele não gostou que ela chamou socorro, e por isso cometeu o segundo crime.

Os familiares da primeira idosa morta pelo suspeito desconfiaram das mensagens enviadas pelo celular e, quando foram questionar a vizinha da vítima, encontraram a idosa também morta.

“Para garantir que realmente não fosse acionada a polícia ele afirmou que acabou ocasionando a morte da segunda testemunha, que era a única que vincularia ele ao local do crime”, disse a delegada.

Prisão
Segundo a Polícia Militar, um cerco foi montado na região e Carlos Eduardo Policarpo foi preso cerca de quatro horas após o crime.

Imagens de câmeras de segurança de um mercado, por onde o suspeito passou antes dos crimes, ajudaram a identificá-lo.

Ele também deixou uma bicicleta e o celular da primeira vítima na casa da segunda idosa morta, o que a polícia usou como provas para ligar o suspeito ao crime.

De acordo com a PM, o suspeito disse que tomava remédios controlados no momento da prisão.

Segundo a Polícia Civil, ele está preso por duplo homicídio qualificado por motivo fútil e tentativa de impunidade.

Comente