Uncategorized

MARX: FILHAS SUICIDAS
E OUTRAS TRAGÉDIAS

(Na foto, Engels, Marx e as filhas dele, Laura, Eleanor e Jenny)

DEONÍSIO DA SILVAº

O suicídio é tema inconveniente em todo o mundo, não apenas no Brasil. Quando pesquisava o tema do suicídio para escrever o romance Sfefan Zweig deve morrer, já publicado também em Portugal e na Itália, li de passagem coisas que me desconcertaram a respeito da vida de Marx, pensador referencial dos tempos modernos.

Soube então que duas filhas de Karl Marx e também seu genro, Paul Lafargue, se suicidaram. Quantos leitores sabem disso? Poucos. E quem lê isso fica às vezes tão chocado que faz o que a mídia tem por hábito fazer: omite esses fatos sombrios.

Todavia é preciso lembrar a frase emblemática que realça serem fatos e fatias da realidade circundante emissoras de clarões sobre pessoas cuja biografia deveríamos conhecer melhor. Disse o filósofo espanhol Ortega y Gasset, em Meditações do Quixote: “Eu sou eu e minha circunstância”. E se não salvo a ela, não me salvo a mim”
Karl Marx está entre os vultos históricos dos quais as qualidades e o mérito das obras são realçados sobremaneira, mas pouco se diz sobre quem foi o homem, o filho, o marido, o pai, o amigo.

Faltou compaixão a Marx, que maltratou a esposa e teve um filho bastardo com Helena Demuth, empregada do casal. Helena, cujo apelido era Lenchen, tornou-se amiga da mulher de Marx, Jenny von Westphalen, que não fazia apenas as tarefas domésticas. Também cultivou flores pontiagudas na cabeça da patroa, mais conhecidas vulgarmente por cornos. Eram encontros apressados esses do amor ilegítimo sob o mesmo teto onde viviam todos. Mas certa vez Jenny viajou e ficou fora de casa por uma semana. Foi nessa temporada que o libidinoso Marx engravidou a assanhada Lenchen.

Talvez ambos tivessem sido libidinosos e assanhados todas as outras vezes, mas aquela viagem da patroa coincidiu com os dias férteis de Lenchen. E ela concebeu do patrão.

Para salvar seu casamento com Jenny, Marx escreveu a Engels pedindo que assumisse a paternidade do menino desta união, a quem foi dado o nome de Frederick: “Devo revelar-lhe um mistério tragicômico”, disse Marx a Engels, como conta Saul Padover em “Karl Marx: an Intimate Biography”.

Mas como o filho bastardo foi descoberto? Pai verdadeiro, pai adotivo e filho de ambos guardaram este segredo por toda a vida. Mas, então, Eleonora, filha de Marx, em 1895 veio a conhecer Frederick. Ele estava com 44 anos. E morreu em 1929.

Não se sabe que influências podem ter tido sobre as filhas e o genro de Marx estas e outras circunstâncias, mas o certo é que Eleonora e Laura, filhas de Marx, e o genro dele, Paul Lafargue, tiveram os três um triste fim: os três se suicidaram.
Sobre tais fatos e sobre as hemorroidas de Marx poucos falam, embora sobre as hemorroidas Edmund Wilson assegure que elas foram decisivas para os capítulos mais contundentes contra a burguesia, pois foi nas crises da enfermidade que Marx os escreveu.
Essas circunstâncias diminuem Marx ou o engrandecem? O leitor é o senhor desta interpretação. Mas o que não podem é ser omitidas em nome do culto à personalidade.

Há mais. Um dos filhos de Marx morreu tão magro, mas tão magro, que escondia os braços finos sob o lençol para a mãe não os ver e parar de chorar. E foi o pai quem ficou ao lado da cama até o último suspiro do filho.
Não são, pois, apenas possíveis restrições nas circunstâncias. Marx era pai amoroso e gostava muito das crianças. Os filhos adoravam brincar de cavalinho com ele, montando sobre o pai, que galopava pela casa toda e depois voltava ao trabalho.

Ah, sim: e desconfiando de que sua teoria não seria lida direito, Karl Marx escreveu um romance, que estava inédito até há poucos anos. Não sei se já foi publicado. (xx)

Deonísio da Silva, professor federal aposentado, é escritor e editor. Dirige para o grupo editorial Almedina a coleção Abelha: Mel & Ferrão

3 Comentários

  1. Munir youssef abboud Responder

    Havia um pacto suicida entre o casal.

    O pacto referia a perda da qualidade de vida e intelectual.

  2. Parabéns, professor, por ter a coragem de trazer à baila tais fatos para reflexão e também para que os que defendem Marx sem ter analisado melhor a obra e o homem, possam tratá-lo com o respeito que merece, é lógico, não como o grande teórico dos tempos contemporâneos. Particularmente, sua teoria, a mim não serve. Na prática, não funciona.

Comente