Uncategorized

Operação mira empresa que oferecia vacinas da AstraZeneca a prefeituras


Uma empresa com sede no Recife (PE) é alvo de operação que envolve as polícias civis de Pernambuco e Rio de Janeiro, além da PRF (Polícia Rodoviária Federal), na manhã desta 5ª feira (22.abr). A empresa teria oferecido doses da vacina de Oxford/AstraZeneca contra a covid-19 a pelo menos 20 prefeituras de todo o Brasil, mas nunca entregaria os imunizantes.

A operação, chamada de Sine Die (sem data, em latim), cumpre 8 mandados de busca e apreensão em Pernambuco. As ações foram autorizadas pelo juiz Bruno Monteiro Ruliere, da 1ª Vara Criminal Especializada do Rio.

Segundo a Delegacia de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro do Rio, a Montserrat Consultoria, com sede no bairro de Casa Forte, na zona norte de Recife (PE), dizia ter um lote com meio bilhão de doses do imunizante. Oferecia as doses ao valor de US$ 7,90 (R$ 44) cada uma.

Em reuniões com prefeitos, os investigados se passavam por representantes da Ecosafe Solutions, empresa com sede na Pensilvânia (EUA), e alegavam que a empresa norte-americana recebeu 500 milhões de doses por ter financiado os estudos da vacina, segundo as investigações.

Policiais cumprem mandado em sala dentro da suposta empresa na zona norte do RecifePRF/Divulgação

Na decisão que autorizou os mandados, o juiz Bruno Monteiro Ruliere afirmou que “foi apurado que a pessoa jurídica citada [Ecosafe] não tem como finalidade social venda de vacinas, e segundo as informações do Consulado Norte-Americano, tem sido utilizada para diversas fraudes”.

O laboratório AstraZeneca publicou uma nota afirmando que todas as doses em produção estão destinadas a consórcios internacionais, como a Covax Facility, e para atender contratos com países. Não há doses remanescentes para ser comercializadas.

Segundo a polícia, nos contratos apresentados pela Montserrat, as cidades deveriam realizar o pagamento antecipado via “swift” –um tipo de remessa internacional– ou carta de crédito irrevogável no momento da suposta postagem das doses. Esse tipo de operação facilita a remessa para o exterior e dificulta a repatriação dos valores.

ACORDOS FECHADOS EM 2 MUNICÍPIOS
Em Porto Velho, na Rondônia, o acordo assinado entre a prefeitura e a empresa alvo da operação passa por uma inspeção no TCE (Tribunal de Contas do Estado). Segundo a gestão porto-velhense, R$ 20 milhões foram investidos para a compra das supostas vacinas para a aquisição de 400 mil doses.

Já em Duques de Caxias, no Rio de Janeiro, a prefeitura assinou um contrato de intenção de compra de 1 milhão de vacinas no valor de R$ 45 milhões.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro ainda não sabe se algum município chegou de fato a efetuar o pagamento e transferir dinheiro à empresa.

Comente