Uncategorized

Trocas na Economia incluem todos
os secretários indicados por Guedes


Canado e Waldery deixaram governo. Integravam “dream team” do ministro

As mudanças na equipe do Ministério da Economia devem incluir todos os secretários indicados pelo ministro Paulo Guedes para a formação original da pasta.

Ao longo do governo, Guedes criou 8 secretarias especiais. Em só duas não haviam sido feitas mudanças até o momento.

O Poder360 apurou, no entanto, que podem deixar o governo os até então intocados Carlos Da Costa, secretário de Produtividade, Emprego e Competitividade, e Martha Seillier, secretária de Programa de Parcerias de Investimentos.

O 1º está no comando da secretaria desde o início do governo. A 2ª integrou o time em 2020, e continua no comando da área.

Nesta 3ª feira (27.abr.2021), duas baixas foram confirmadas. Deixaram a pasta o secretário de Fazenda, Waldery Rodrigues, e a assessora especial Vanessa Canado.

O secretário do Tesouro, Bruno Funchal, deve assumir o lugar de Waldery. O assessor especial Jeferson Bittencourt passará a ser secretário do Tesouro.

Vanessa é advogada focada na área de impostos. Deixou a pasta depois que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse que iria avançar com a discussão da reforma tributária.

Waldery já esteve por algumas vezes na berlinda para sair do cargo. O presidente Jair Bolsonaro deu bronca e disse que daria um “cartão vermelho”. Sua saída agora tem como pano de fundo o imbróglio do Orçamento de 2021.

Um integrante da equipe econômica disse que Waldery deve continuar no Ministério da Economia, mas em outro cargo. Ele é um “homem de confiança” de Guedes. Funcionário concursado do Senado, conhece os meandros da burocracia brasiliense.

As baixas devem atingir o “dream team” de Paulo Guedes, que montou uma equipe conhecida como “Chicago oldies” –uma alusão aos Chicago boys, time de jovens liberais egressos da Universidade de Chicago que reformou a economia chilena durante a ditadura de Augusto Pinochet (1974-1990). Eis o que já mudou na equipe:

Fazenda: começou com Waldery Rodrigues e passará a ser de Bruno Funchal;
Receita Federal: começou com Marcos Cintra e agora é de José Barroso Tostes Neto;
Previdência e Trabalho: começou com Rogério Marinho e agora é de Bruno Bianco;
Comércio Exterior e Assuntos Internacionais: começou com Marcos Troyjo e agora é de Roberto Fendt Junior;
Desestatização, Desinvestimento e Mercados: começou com Salim Mattar e agora é de Diogo Mac Cord;
Desburocratização, Gestão e Governo Digital: começou com Paulo Uebel e agora é de Caio Mario Paes de Andrade.

Martha Seillier e Carlos da Costa devem deixar seu cargosRomério Cunha/Casa Civil da Presidência – 31.jan.2018 e Washington Costa/Ministério da Economia – 15.ago.2019

Nais mudanças estão no radar. Eis o que deve acontecer:

SOF – o titular da Secretaria do Orçamento Federal, George Alberto de Aguiar Soares, sairá. Para o seu lugar irá Ariosto Antunes Culau, atualmente na Secretaria Geral da Presidência da República. Ariosto no passado já comandou a SOF;

Assessoria especial tributária – para o lugar de Vanessa Canado deve ir Isaías Coelho, professor da FGV que já tem colaborado informalmente com a equipe econômica;

PPI – Martha Seillier vai para um organismo internacional, possivelmente o BID a partir de junho ou julho (o Brasil soube que haverá uma vaga aberta, mas o BIF deseja que seja indicada uma mulher);
Produtividade, Emprego e Competitividade – Carlos Da Costa finalmente vai sair para o BID Invest.

DANÇA DAS CADEIRAS
O ex-secretário do Tesouro Nacional Mansueto Almeida deixou o cargo em 15 de julho e foi substituído por Bruno Funchal. O diretor de programas da Secretaria Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Caio Megale, deixou o cargo.

Também houve saídas em cargos sob influência de Guedes fora do Ministério da Economia.

Rubem Novaes e André Brandão deixaram o comando do Banco do Brasil. O último ganhou antipatia de Bolsonaro por cortar gastos em agências e promover a demissão de 5.000 funcionários. Em seu lugar, o presidente colocou um bolsonarista que fez carreira na instituição.

Na Petrobras, Bolsonaro mandou trocar Roberto Castello Branco –indicado por Guedes– por um general da reserva. O motivo: descontentamento com a política de reajustes nos preços dos combustíveis. Assumiu a função Joaquim Silva e Luna, diretor-geral da Itaipu Binacional e ministro da Defesa no governo de Michel Temer (MDB).

Outro aliado de Guedes que deixa o governo é a presidente do IBGE. Susana Guerra pediu demissão em 26 de março –1 dia após o Congresso quase zerar a verba do Censo (coleta dados detalhados sobre a população) para financiar emendas parlamentares.

Joaquim Levy foi a 1ª baixa no governo: deixou a presidência do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) em junho de 2019.

Salim Mattar, Paulo Uebel, Mansueto Almeida, Caio Megale, Rubem Novaes, André Brandão e Susana Guerra saíram por desistência.

Comente