Uncategorized

Vereadores pedem punição a empresas por ônibus lotados

A ideia é atingir aquilo que mais preocupa os empresários que detém concessões de transporte público em Curitiba. Seus ganhos. Os vereadores Sargento Tânia Guerreiro (PSL) e Éder Borges (PSD) querem punir empresas de transporte coletivo de Curitiba que não adotam medidas para reduzir a lotação dos ônibus de Curitiba para atenuar a pandemia do coronavírus. No dia 15 de março, eles apresentaram projeto de lei na Câmara Municipal de Curitiba (CMC) reduzindo para 50% a lotação máxima dos ônibus e criando multa de R$ 5 mil por veículo flagrado excedendo esse limite, a ser cobrada pela Urbs das concessionárias.

As medidas permaneceriam em vigor enquanto valer em Curitiba o estado de emergência causado pela pandemia do coronavírus. Em caso de reincidência, as empresas de ônibus pagariam a multa acrescida de 50% do valor e os recursos obtidos desta forma seriam revertidos, diz o projeto de lei, ao combate da covid-19 na cidade. A fiscalização seria definida pelo Executivo, em regulamentação,

Segundo os parlamentares, é preciso “medidas enérgicas” para frear a aglomeração nos veículos e a medida está alinhada aos levantamentos do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PR) sobre o excesso de passageiros nos ônibus curitibanos durante as restrições de circulação da covid-19. Para os parlamentares que assinam o projeto, é preciso manter “distanciamento idêntico” ao determinado por decretos do Executivo a espaços públicos e privados. Caso contrário, “a pandemia tende a se perpetuar”.

Comente