Brasil

Bolsonaro é rejeitado por 52%


De acordo com a pesquisa Exame/Ideia, divulgada nesta 6ª feira (7.mai.2021) pela revista Exame, que pertence ao banco BTG Pactual, o trabalho de Jair Bolsonaro (sem partido) como presidente é rejeitado por 52% da população, enquanto 24% o aprovam.

Outros 22% não aprovam nem desaprovam, e 2% não souberam avaliar a gestão de Bolsonaro. A diferença entre a aprovação e desaprovação é de expressivos 28 pontos percentuais. A margem de erro do levantamento é de 3 pontos percentuais.

Em relação à avaliação do atual governo federal, 50% afirmaram que o consideram “ruim ou péssimo”, outros 24% dizem que é “ótimo ou bom”. Os que avaliaram como “regular” somam 23,8%. Outros 2% não souberam avaliar a gestão de Bolsonaro.

A maioria (64%) dos que avaliaram o governo Bolsonaro como “ruim ou péssimo” têm ensino superior. Enquanto isso, 40% dos evangélicos aprovam a gestão de Bolsonaro. Entre os católicos, a avaliação positiva é de 24%.

A pesquisa foi contratada pela revista Exame, do banco BTG Pactual, do empresário André Esteves. Foi realizada pela empresa Ideia Big Data. Eis a a íntegra (212 KB).

BASE DE ENTREVISTADOS
Os 1.230 entrevistados pela empresa Ideia Big Data foram contatados por meio telefônico, com operadores humanos “com utilização de questionário elaborado de acordo com os objetivos da pesquisa”, sendo que os “entrevistadores contratados” foram “devidamente treinados para a abordagem desse público”, informa o relatório da pesquisa.

Não fica claro, entretanto, se as ligações foram realizadas para telefones fixos ou para celulares –ou para ambos. Isso faz grande diferença. O uso do celular é quase universal entre os brasileiros hoje. As linhas fixas, não.

O ideal é que numa pesquisa nacional a base de telefones usada possa incluir linhas fixas e celulares, para garantir a maior amplitude possível do público atingido.

Pesquisas telefônicas se tornaram o padrão no mundo hoje por causa da pandemia. É muito difícil convencer pessoas a conceder entrevistas pessoalmente, na rua ou em suas residências. Há grande precisão num estudo de opinião feito por telefone, desde que a metodologia seja robusta e a base de entrevistados represente toda a sociedade.

Nos EUA, em 2016, os levantamentos que mais acertaram na eleição de Donald Trump para presidente foram os que usaram o método de ligações telefônicas automatizadas, conforme relatório da Associação Americana de Pesquisadores de Opinião Pública (conhecida pela sigla de seu nome em inglês, Aapor). Para ler o estudo, clique aqui (em inglês).

No caso da pesquisa da revista Exame, não fica claro como foram encontrados os 1.230 entrevistados. Não se sabe se são portadores de celulares ou de linhas fixas.

MARGEM DE ERRO
Segundo a empresa Ideia, com as 1.230 entrevistas realizadas a margem de erro da pesquisa foi de “aproximadamente 3 pontos percentuais, para mais ou para menos”.

Comente