Brasil

Doutores e crentes


A maioria (64%) dos que avaliaram o governo Bolsonaro como “ruim ou péssimo” têm ensino superior. Enquanto isso, 40% dos evangélicos aprovam a gestão de Bolsonaro. Entre os católicos, a avaliação positiva é de 24%. Os evangélicos tem boas razões para apoiar Bolsonaro. Dele esperam o perdão de suas dívidas com o Tesouro. Mesmo tendo garantida a isenção de uma série de impostos, os líderes evangélicos mais badalados do Brasil somam uma dívida de cerca de R$ 300 milhões aos cofres públicos, aponta a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. A maioria do débito é referente ao não pagamento de taxas como o INSS de funcionários.

1 Comentário

  1. Parreiras Rodrigues Responder

    O deus de Bolsonaro, se escreve assim, minúsculo mesmo. Sou católico e ecumênico. Respeito as igrejas evangélicas tradicionais, a Assembléia de Deus, Adventista, Congregação Cristã, etc. Abomino e esconjuro as dinheiristas como a desse vigarista abraçado ao deista por interesse que, batizado católico na infância, já deixou até se abençoar por pastor corrupto nas águas do Jordão. No terceiro casamento, atenta contra a Ciência e contribui para o alastramento da Covid no pais que governa, se isola do conjunto das Nações do mundo e destrói a mais visível prova da existência de Deus Verdadeiro, a árvore e tudo os que nelas habita, em seus galhos e abaixo das suas sombras.

Comente