Tag

crise

Browsing

0507 gleisi empresarios crise

A presidente da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, Gleisi Hoffmann (PT-PR), culpou o setor privado pela crise vivida atualmente no Brasil. A colocação da petista provocou protestos dos senadores que acompanham a sabatina dos diretores do Banco Central na manhã desta terça-feira, 5. O senador Ivo Cassol (PP-RO) foi incisivo na resposta. “É injustiça querer culpar o setor produtivo pela incompetência (do governo)”, disse.

ebc

Na mira do governo interino de Michel Temer, a EBC viu seu número de funcionários saltar de 913, em 2010, para 2.564, em 2014. No mesmo período o número de contratações em todas as estatais foi de 55.836.

Apesar da propalada dificuldade financeira de várias estatais federais, as 135 que existem país afora continuam infladas, com crescimento constante de pessoal. Dados atualizados do governo mostram que, de 2010 a 2014, o número total de contratados nessas empresas teve um acréscimo de 11,2%, o que representa 55.836 novas contratações. O aumento foi ininterrupto. Mas, se forem levadas em conta as estatais que dependem exclusivamente do Tesouro Nacional — como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e a Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), entre outros exemplos — a alta foi de 48,4% no período. Já de 2006 a 2014, o volume de servidores nas estatais aumentou em 30%, e o das dependentes do Tesouro, em 75%. Enquanto o número de funcionários disparou, o volume de investimentos das estatais federais no primeiro quadrimestre caiu ao menor nível desde 2006. As informações são d’O Globo.

shopping-catuí

Crise? Que crise? Nos próximos dois anos, oito shoppings centers serão inaugurados ou serão construídos no Paraná. Ainda que o cenário econômico desfavorável tenha atrasado alguns empreendimentos, os empresários mantêm os projetos em diversas cidades. Dos oitos shoppings previstos, três são do Grupo Tacla: Jockey Plaza Shopping Center (Curitiba), Palladium Umuarama (Umuarama) e o City Center Outlet (Campo Largo). Os outros cinco são: Estação Mall (Paranaguá), Shopping Cidade dos Lagos (Guarapuava), Shopping Atuba e ParkShopping Boulevard (Curitiba) e Shopping Catuaí (Cascavel)

(foto: shopping Catuaí em Cascavel)

image

d’O Globo

A proposta de recriar a CPMF para reforçar o caixa da União em estudo no governo prevê que a alíquota do tributo fique em 0,38%. Esse foi o percentual que vigorou de 1999 até o final de 2007, quando a contribuição foi extinta.

Para tornar a medida mais palatável e aumentar suas chances de aprovação no Congresso, a ideia do governo também é propor que a CPMF passe a ser partilhada com estados e municípios e não fique mais exclusivamente nas mãos da União.

unnamed

O empresário Wilson Picler está na política há mais de uma década. Foi candidato a deputado federal, nunca se candidatou a uma cargo executivo em eleição majoritária. Sempre apostou suas fichas e sua confiança em candidato que apoiou. O último foi Gustavo Fruet, do PDT/PT, que elegeu-se graças a uma obstinada campanha de Picler. Agora, Picler é convencido pelo seu grupo, hoje no PEN, a candidatar-se a prefeito. Está na liça e sua campanha avança e já preocupa o próprio prefeito Fruet, que encontra enormes dificuldades para se reeleger.

unnamed

O ex-presidente Lula tenta convencer o ex-ministro José Dirceu, preso na Operação Lava-Jato, a se desfiliar do PT, para tentar diminuir o desgaste do partido e do governo por eventual condenação do petista pela corrupção na Petrobras. Apesar do mal-estar no PT com as acusações de enriquecimento pessoal, Dirceu ainda tem força no partido que ajudou a fundar. O temor de dirigentes petistas é que eventual processo de expulsão de Dirceu seja rejeitado pela Comissão de Ética ou pelo Diretório Nacional, aumentando o desgaste da legenda. As informações são d’O Globo.

“Se o Zé gosta tanto do PT, por que não ajuda e se desfilia?”, disse um petista próximo a Lula.

GC
O guru de Gleisi Hoffmann, um australiano que descobriu um ótimo negócio na venda de assistência espiritual com toques orientais, acompanhada de receitas de auto-ajuda, aposta na recuperação da loira depois do dia 6 de setembro, quando ela completa 50 anos. Mas a loira guardou uma dose de bom-senso além da filosofia de meia confecção do budista australiano. Sabe que seu destino depende menos da conjunção dos astros que das investigações da Lava Jato. Depende mais de Sergio Moro que de Buda. Aliás, Buda em sânscrito significa Desperto. Que sirva de inspiração à loira, que precisa ficar muito desperta neste momento .

mail.google.com

Não há agenda positiva possível enquanto o governo estiver sitiado pelas roubalheiras que hospedou, tolerou e finge desconhecer

Elio Gaspari

A doutora Dilma parece perdida como cego em tiroteio. Sua reunião com os governadores foi mais um exercício de perda de tempo. Admitindo-se que ela consiga desviar-se da ruína econômica, resta-lhe uma decisão: o que fazer diante da Lava-Jato?

Até agora ela se deixou corroer porque supõe que pode ficar numa posição de neutralidade contra. “Eu não respeito delator” será uma frase que a acompanhará pela vida.

Ou ela se alista publicamente na Lava-Jato, ou está frita. Lula deu meios passos ao tirar José Dirceu da Casa Civil e Antonio Palocci da Fazenda. Faltou dissociar-se do mensalão, e o resultado está aí.

mail.google.com

Josias de Souza

Logo que explodiu a Lava Jato, o PT criou para si um Brasil alternativo. Um país fictício em que nada acontecera. Escaldados com o fracasso do discurso de que o mensalão não passara de caixa dois, dirigentes do partido e Lula propuseram e aceitaram a tese de que as propinas do petrolão eram doações legais, que o partido não tinha nada a explicar e que o assunto estava encerrado. Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras, ameaça implodir essa ficção.