Tag

Custo Brasil

Browsing

paulo-bernardo-FOTO-DIDA-SAMPAIO-CORTE-750-620x350

Alvo da Operação Custo Brasil, o ex-ministro Paulo Bernardo (Planejamento/Governo Lula) declarou à Polícia Federal em São Paulo nesta terça-feira, 19, que não recebeu propinas de R$ 7,1 milhões do esquema Consist.

A Consist é uma empresa de software que fez acordo com entidades contratadas pelo Planejamento na gestão de Paulo Bernardo, em 2010. Cabia à Consist gerenciar o dinheiro emprestado a milhões de servidores públicos. O esquema teria desviado R$ 100 milhões de empréstimos consignados entre 2010 e 2015 por meio da cobrança de taxas altas.

Questionado sobre anotações encontradas no escritório do advogado Guilherme Gonçalves, de Curitiba, que indicam supostos repasses de valores em seu favor, Paulo Bernardo negou ter sido beneficiário. Ele sugeriu que Gonçalves pode ter ficado com o dinheiro. As informações são do Estadão.

paulo-bernardo

A agenda de compromissos em 2014 do então ministro das Comunicações Paulo Bernardo (PT-PR) indica que era ele o interlocutor de mensagens interceptadas pela Polícia Federal no telefone do executivo da Andrade Gutierrez Otávio Azevedo. Em relatório na Operação Lava Jato, a PF apontou que o celular que registrou trocas de mensagens com Azevedo “possivelmente” pertenceria a Paulo Bernardo. A dúvida sobre a identidade surgiu porque o contato de Azevedo, um celular de Brasília, aparece registrado em nome de duas pessoas ao mesmo tempo: Paulo Bernardo e também João Rezende, possível referência ao presidente da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), pessoa próxima do ex-ministro. As informações são de Rubens Valente na Folha de S. Paulo.

paulo-bernardo2

Karlos Kohlbach

Apesar da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de soltura de Paulo Bernardo, o ex-ministro de Lula e Dilma Rousseff (PT) segue na alça de mira da Polícia Federal e dos procuradores do Ministério Público Federal (MPF).

Uma fonte contou ao Blog que a documentação apreendida na ação policial, assim como os extratos telefônicos, está em fase final de análise. “Os resultados dos achados deve ensejar uma nova operação da PF”, diz a fonte.

bernardo-gleisi

Para a Polícia Federal, mensagens pelo celular de 30 de agosto de 2014 e 3 de setembro de 2014 parecem sugerir que ex-ministro dos governos Lula e Dilma estaria questionando Otávio Azevedo, da Andrade Gutierrez, ‘de forma velada acerca de depósito’

Relatório da Polícia Federal, na Operação Lava Jato, destaca mensagens trocadas, em 2014, entre o então presidente da Andrade Gutierrez Otávio Marques de Azevedo, e Paulo Bernardo, que na ocasião ocupava a cadeira de ministro das Comunicações do governo Dilma. As informações são de Julia Affonso, Mateus Coutinho, Ricardo Brandt e Fábio Serapião no Estadão.

Gleisi-Hoffmann-divulgação

O Antagonista

A PF encontrou um elo entre a Focal, acusada de ter lavado dinheiro para a campanha de Dilma Rousseff, e um assessor de Paulo Bernardo, Zeno Minuzzo.

Um relatório da Custo Brasil, obtido pelo Estadão, “levanta suspeita sobre transações de remessa de materiais de campanha para Zeno Minuzzi, em 2014, e indica uma possível sonegação de informação sobre a prestação de serviço para as campanhas de Dilma e da senadora Gleisi Hoffmann”.

gleisi-e-paulo-bernardo

A Receita Federal já identificou pelo menos 22 pessoas físicas que serão fiscalizadas por participarem do esquema de corrupção revelado pela Operação Custo Brasil, deflagrada em 23 de junho. De acordo com técnicos da inteligência do órgão, no entanto, o número de contribuintes deve subir com o avanço das investigações. O potencial das autuações chega a R$ 115 milhões. As informações são de Martha Beck n’O Globo.

O Antagonista

O Antagonista apurou com membros da segunda turma do Supremo que o recurso da PGR contra a revogação da prisão de Paulo Bernardo deve ser negado.

De maneira geral, os ministros acham que Dias Toffoli se precipitou ao dar o habeas corpus de ofício. Eles consideram, porém, que o pedido de prisão preventiva, feito pela Justiça Federal em São Paulo, deveria ter sido melhor fundamentado.

Já a reclamação sobre as buscas no apartamento funcional de Gleisi Hoffmann não tem a unanimidade do colegiado. “É um caso inédito e que suscita dúvidas”, diz um ministro.

O Antagonista não tem dúvidas, só certezas.

tofolli-br

Paulo Bernardo está solto. Na visão de Dias Toffoli, ele não pode sofrer “antecipação de pena”. Mas os coitados que foram enganados pelos arquitetos do consignado tiveram as suas penas antecipadas pelo serviço de proteção ao crédito. Para eles, o STF não existe.

Mario Sabino, O Antagonista

O Jornal Nacional mostrou que aumentou dramaticamente o número de aposentados inadimplentes. O motivo é que eles se acharam obrigados a arcar com as necessidades e os desejos dos seus filhos desempregados e netos sem perspectiva. Necessidades e desejos que resultaram em calotes, dada a exiguidade do que recebem por mês.

A crise na Europa já havia mostrado face semelhante — a de velhos que são obrigados a sustentar jovens adultos, numa inversão do que se presumia ser a direção natural das famílias. No Brasil, o problema adquire contornos ainda mais urgentes, porque as redes de proteção sociais são escassas, quando não completamente inexistentes.

paulobernardo300x225

Acusado de ter recebido R$ 7 milhões em propina de dinheiro desviado de crédito consignado, Paulo Bernardo ao deixar a prisão disse se sentir constrangido e que ela não era necessária, pois estava à disposição da Justiça

O ex-ministro Paulo Bernardo foi solto na noite desta quarta-feira (29) depois de passar seis dias preso na carceragem da Polícia Federal em São Paulo.

Ex-ministro dos governos Lula e Dilma, Paulo Bernardo foi preso nesta quinta (23) na Operação Custo Brasil um desdobramento da Lava Jato, que investiga desvios do Ministério do Planejamento. O petista é acusado de ter se beneficiado de propina de contratos da pasta que perduraram de 2010, quando ele estava à frente do ministério, a 2015. As informações são da Bela Megale na Folha de S. Paulo.