Tag

Dilma

Browsing

dilma_tv PL_ folhapress

da Folha de S. Paulo

Em sua primeira declaração pública desde a derrota na Câmara, a presidente Dilma Rousseff afirmou que se sentiu “indignada” e “injustiçada” com a aprovação do impeachment e acusou seu vice, Michel Temer, de trair e conspirar abertamente contra ela.

Em pronunciamento nesta segunda-feira (18), a petista afirmou que está apenas “no início da luta”, e não no fim de seu mandato, e que estão “torturando” seus sonhos e direitos, momento no qual embargou a voz.

“Não é o começo do fim, estamos no início da luta e ela será longa e demorada”, disse. “Estou tendo meus sonhos e direitos torturados, mas não mataram em mim a esperança, porque sei que a democracia é sempre o lado bom da história”, acrescentou.

tiririca_deputado

da Folha de S. Paulo

“Esse cara esteve comigo hoje. Como ele faz isso? Ele ia votar com a gente”. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um desabafo inconformado ao assistir ao voto do deputado Tiririca (PR-SP), favorável à abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff.

“Senhor presidente, pelo meu país, meu voto é sim”, afirmou Tiririca durante a sessão de domingo (17). Há quase seis anos como deputado, essa foi a primeira vez que o ex-humorista fez uso do microfone do plenário da Câmara.

ricardobarros_2

“Na semana passada o PP do Paraná se reuniu e decidiu favorável ao impeachment. Esse posicionamento foi seguido por vários estados brasileiros. Publiquei a decisão em minhas redes sociais e aguardei que essa decisão do diretório nacional do Partido, o que acabou acontecendo no final desta tarde. Espero que esta decisão seja melhor para o Brasil e para todos o brasileiros. Que Deus nos ilumine. Votaremos SIM.” – do deputado Ricardo Barros (PP) no facebook.

aliel machado_2

Quem mais sofre pressão na comissão do impeachment são aqueles que ainda não decidiram o seu voto e que pretendem, neste ano, disputar as eleições municipais. Os parlamentares que estão nesta situação têm recebido milhares de mensagens via Whatsapp, e-mail e redes sociais de militantes pró e contra impeachment. De olho na prefeitura de Ponta Grossa, Aliel Machado (Rede-PR), que não é aliado de Dilma, também não estaria disposto a contribuir para que Temer assuma a Presidência. “Repete que, para ele, nem Dilma, nem Temer, e que o melhor seria mesmo haver novas eleições. No estado dele, no entanto, a maioria dos eleitores tem se manifestado a favor do impeachment”, informa O Globo.

AM_folhapress

“Se banalizarmos o impeachment da forma como alguns querem, o país não terá mais estabilidade jurídica, porque qualquer governo que possa passar por uma crise econômica ou de popularidade terá o impeachment como ameaça permanente”.

Declaração do ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), José Eduardo Cardozo, à Folha de S. Paulo desta segunda-feira (11). Confira aqui a entrevista completa.

dilma_folhapress

A Andrade Gutierrez, segunda maior empreiteira do país, fez doações legais às campanhas de Dilma Rousseff (PT) e de seus aliados em 2010 e 2014 utilizando propinas oriundas de obras superfaturadas da Petrobras e do sistema elétrico. A informação consta da delação premiada do ex-presidente da empresa Otávio Marques de Azevedo e foi sistematizada por ele em uma planilha apresentada à Procuradoria-Geral da República. As informações são de Bela Megale, Graciliano Rocha, Valdo Cruz e Leandro Colon na Folha de S. Paulo.

O ex-presidente e o ex-executivo Flávio Barra detalharam a planilha em depoimentos ocorridos em fevereiro, enquanto negociavam a delação premiada que espera homologação no Supremo Tribunal Federal.

grafico_folha_06.04.16

da Folha de S. Paulo

Dados publicados pelo Banco Central dão dimensões precisas à explosão das manobras conhecidas como pedaladas fiscais no governo Dilma Rousseff.

As pedaladas –o uso de dinheiro dos bancos federais em programas de responsabilidade do Tesouro Nacional– são a base do pedido de impeachment contra Dilma.

Os números do BC põem em xeque a tese principal da defesa da presidente, segundo a qual seus antecessores também adotaram a prática.

Por determinação do TCU (Tribunal de Contas da União) o BC calculou os atrasos em repasses do Tesouro aos bancos federais e ao FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) desde 2001, no governo FHC.

Os valores mostram uma tendência de alta a partir do final do governo Lula e uma disparada sob Dilma.