Tag

fiep

Browsing

ministro3

O governador Beto Richa participou nesta sexta-feira (22) do lançamento, em Curitiba, do movimento Vote Bem, promovido pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) e mais de cem instituições parceiras. No evento, que contou com palestra do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, Richa defendeu a reforma política para aperfeiçoar a democracia no País. “A principal reforma que o Brasil deve fazer é a política”, afirmou o governador.

Richa também enalteceu a campanha Vote Bem e ressaltou que o eleitor precisa ter consciência de sua responsabilidade no processo democrático. “Quero parabenizar a iniciativa do movimento Vote Bem, que pretende mostrar aos eleitores a importância do voto responsável, do qual depende sua vida, seu emprego, a saúde pública, enfim, tudo que é necessário para que haja qualidade de vida à população”, disse o governador. “O ponto mais alto da democracia é justamente a eleição, que é o momento em que o cidadão tem o direito de se manifestar acerca de seu futuro e do de sua família”, afirmou.

edsoncampagnolo

O presidente do Sistema Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, classificou como catastrófica a queda no desempenho econômico brasileiro registrada em 2015 e cobrou responsabilidade da classe política para reversão do quadro recessivo do país. Nesta quinta-feira (3), o IBGE divulgou que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, medida de todas as riquezas produzidas no país, teve retração de 3,8% no ano passado, em relação a 2014, totalizando R$ 5,9 trilhões. Foi a pior queda em toda a série histórica da pesquisa, iniciada em 1996.

moro fiep

Evento promovido pelo Sistema Fiep e CIFAL Curitiba, que acontece no dia 10 de março, traz nomes como William Waack e o juiz Sergio Moro na programação. As inscrições já estão esgotadas.

Quais medidas são as mais eficazes para se combater a corrupção dentro das empresas? Qual o novo cenário – e mudanças – que a Lei Anticorrupção (Lei 12.846/2013) trouxe ao país? Essas são algumas questões que serão debatidas no 2º Fórum Transparência e Competitividade, que acontece no dia 10 de março, promovido pelo Sistema Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) e pelo Centro Internacional de Atores Locais para a América Latina (CIFAL) Curitiba. Entre os palestrantes convidados, estão o jornalista William Waack e o juiz federal Sergio Moro, que encerra o evento, com a palestra “Corrupção, empresas e controle”. As inscrições já estão esgotadas.

Coletiva Campagnolo - Foto: Rogério Theodorovy

Quase 80% das empresas cortaram ou reduziram os investimentos diante do cenário desfavorável, segundo pesquisa divulgada pela Fiep.

da Gazeta do Povo:

A crise está freando investimentos, provocando demissões e ampliando o pessimismo entre os industriais do Paraná. Pesquisa encomendada pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) revela que 78,8% das empresas industriais paranaenses já foram afetadas de alguma forma pelo cenário econômico desfavorável. Outras 14,4% acreditam que sentirão o impacto da crise até o fim do ano.

O governo federal tirou de seus planos imediatos duas ferrovias que passariam pelo Paraná e estavam previstas na primeira versão do programa, lançado em 2012. A continuação da Norte-Sul entre São Paulo e Rio Grande do Sul ainda está no radar, mas só será concedida depois da conclusão dos trechos mais ao Norte. A nova ligação entre Maracaju (MS) e Paranaguá também não apareceu no anúncio.

campagnolo11

“Analisando a questão ferroviária do estado, o programa é altamente negativo. De certa forma, tínhamos expectativa que a ferrovia que liga Maracaju ao litoral entrasse. Seria uma grande oportunidade para atrair investidores, mas o governo federal não priorizou”, analisa o presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo. Com informações da Gazeta do Povo.

O governo está negociando a antecipação da renovação das concessões ferroviárias, com investimentos previstos de R$ 16 bilhões, que podem beneficiar o Paraná. A Rumo ALL já divulgou que tem planos de investir quase R$ 2 bilhões no estado.

edson campagnolo2_

Edson Campagnolo

Não soou bem a declaração da presidente Dilma Rousseff sobre a infraestrutura brasileira, durante discurso no Pará, no último dia 30, em que fez distinção entre os investimentos nas diferentes regiões do país. Segundo ela, Sul e Sudeste já teriam infraestrutura demais, cabendo agora ao governo federal garantir projetos na “parte de cima” do Brasil.

A afirmação talvez até guarde algo de verdade, mas uma verdade relativa. É evidente que, ao se comparar a infraestrutura das regiões, encontramos diferenças. E que talvez Norte e Nordeste tenham sido relegados a um segundo plano nessa área no passado, sendo necessário que recebam hoje alguns investimentos que são estratégicos.

campagnolo - fiep

de Edson Campagnolo, na Folha de S. Paulo:

A quem interessa inviabilizar o Brasil? A pergunta poderia até soar como teoria da conspiração. Infelizmente, porém, o ambiente pouco favorável ao empreendedorismo no país leva a crer que existe uma estratégia para tirar a competitividade do setor produtivo nacional. Fato que puxa outra questão: quem estaria por trás dessas más intenções, que colocam em risco o desenvolvimento da nação?

roberto z --

O quadro da economia brasileira começa a ficar dramático. O PIB negativo, a retração econômica apontada pelo Banco Central, a queda de 0,42% acompanhada de inflação acima do teto da meta (7,27%) e aumento da taxa básica de juros (Selic) na casa dos 12,75%. O próprio ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse ontem a investidores que o crescimento econômico pode ser negativo esse ano e o pessimismo do mercado ecoa nos setores produtivos, que já engavetam planos de investimentos. A situação complicada está registrada na manchete principal da Folha de Londrina desta quinta-feira, 19.

Foto: Agência Fiep
Edson-Campagnolo-fiep-Sondagem-Industrial-015

Do G1-PR:

Assembleia Legislativa volta a analisar projetos de lei nesta segunda (8). Para reverter crise, Governo do Paraná quer aumentar impostos.

O presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Luiz Campagnolo, avaliou como uma irresponsabilidade o pacote de reajustes tributários proposto pelo governador Beto Richa (PSDB). Nesta segunda-feira (8), a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa volta a analisar os projetos de lei que foram apresentados pelo Executivo como um mecanismo para alavancar o caixa do estado.

beto fiep

Em sabatina da Federação das Indústrias do Paraná nesta terça-feira (19), o governador Beto Richa fez um balanço da sua gestão e disse que o governo estadual continuará um parceiro de quem produz no Paraná. “Respeitamos quem produz e nos comprometemos a garantir melhores condições para que as empresas, que geram empregos e riquezas, possam crescer”, afirmou Beto Richa.

Richa lembrou que implantou no Estado um bom canal de diálogo que tem resultado em muitos avanços na infraestrutura, economia e na gestão pública. No final do evento, o governador recebeu um documento da entidade com propostas e recomendações para a política industrial paranaense.