Tag

relações

Browsing

Foto: Reuters
2D9896845-pb-131210-obama-castro-nj-03

de Flávia Barbosa, O Globo:

Após 53 anos de rompimento, Estados Unidos e Cuba vão normalizar integralmente as relações diplomáticas, com abertura de embaixadas em Havana e Washington e recomposição de canais de cooperação e negociação, informaram os governos das duas nações. Para concretizarem o passo histórico, os presidentes Barack Obama e Raúl Castro autorizaram no primeiro semestre de 2013 conversas secretas de alto nível — que começaram em junho daquele ano, tiveram a bênção do Papa Francisco e foram concluídas ontem, com chamada telefônica de uma hora e meia entre os dois mandatários — e alinhavaram a liberação de prisioneiros cubanos e americanos, o que ocorreu esta manhã. Os EUA decidiram ainda rever a inclusão de Cuba na lista de Estados que apoiam o terrorismo; relaxar ainda mais viagens e remessas de americanos à Ilha; e liberar várias transações financeiras e tipos de exportações.

marina e aécio debate band

Do Kennedy Alencar, CBN:

Se eleito, a ideia de Aécio Neves é que a ex-senadora seja uma espécie de chanceler verde do Brasil. Além disso, o Itamaraty daria menos foco ao Mercosul para negociar mais com os EUA e a União Europeia, diferentemente do PT.

A ideia do PSDB é que Marina lidere a diplomacia verde do Brasil no mundo. Com Aécio e Marina, o Itamaraty daria menos foco ao Mercosul e mais a tentativas de negociar em blocos com os Estados Unidos e a União Europeia.
No entanto, Aécio e Marina ainda decidem sobre fim da reeleição, proposta da candidata do PSB que seria condição para apoio a Aécio.

De Eumano Silva, IstoÉ:

A comunidade ucraniana no Brasil está insatisfeita com a posição tomada pelo Itamaraty em relação à crise em torno da anexação da Crimeia pela Rússia. Na quinta-feira 18, o presidente da Representação Central Ucraniano Brasileira (RCUB), Vitorio Sorotiuk, esteve no Palácio do Planalto com o assessor especial para Política Externa da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia. Sorotiuk transmitiu o descontentamento com a abstenção do Brasil na decisão da Organização das Nações Unidas, tomada em março deste ano, depois que a população da Crimeia aprovou o rompimento com a Ucrânia.

Insatisfação ucraniana II

No encontro com Vitório Sorotiuk, Marco Aurélio Garcia disse que o Brasil busca uma solução pacífica para o conflito. O assunto, afirmou, seria levado à presidenta Dilma Rousseff e ao ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figuiredo. Enquanto isso, Dilma analisa a possibilidade de aceitar o convite para uma visita oficial a Kiev feito pelo governo da Ucrânia.